Back To Top
Power Design of Progressive Lenses

Produtos ZEISS

Vale a pena ver melhor: Lentes para óculos, revestimentos e instrumentos de diagnóstico da ZEISS

mais

Entre em contacto

Tem interesse na Parceria ZEISS ou já é cliente da ZEISS e gostaria de fazer alguma pergunta?


Tem alguma dúvida?

Tópicos

  • i.Profiler
  • DuraVision Platinum
  • i.Demo
  • i.Terminal 2
  • Lentes para escritório
  • Lentes progressivas
  • i.Scription
  • Lentes monofocais ZEISS
  • Tratamentos
  • Capas

Desenho das lentes progressivas

Ao desenvolver, nos últimos anos, novas superfícies anteriores para lentes progressivas, a ZEISS tem prosseguido dois objetivos fundamentais: a otimização permanente do desenho das lentes progressivas para várias finalidades e o desenvolvimento de lentes progressivas com finalidades especiais, como o trabalho diante do computador.

1. Zonas de visão

Princípio básico da superfície progressiva

Aumento da potência dióptrica pela constante diminuição dos raios de curvatura

Princípio básico da superfície progressiva

Uma lente oftálmica cuja potência dióptrica varia de forma contínua é conhecida como lente progressiva. Ao contrário das lentes bifocais ou trifocais, as lentes progressivas garantem que o utilizador presbíope sempre encontra sempre a potência dióptrica ideal para cada distância, garantindo uma visão de alta qualidade.
O aumento da potência da lente é conseguido pela constante diminuição dos raios de curvatura nas direções vertical e horizontal.
Nas zonas de visão mais utilizadas é possível obter uma visão praticamente livre de aberrações, uma vez que os raios de curvatura são quase idênticos nas direções vertical e horizontal.

Zonas periféricas da superfície progressiva
Por outro lado, as zonas periféricas da lente apresentam diferenças mais marcadas entre os raios de curvatura nas direções horizontal e vertical. Isto afeta tanto a visão direta quanto a visão indireta. A visão do utilizador fica embaçada quando ele olha através das zonas periféricas da lente progressiva. Na visão indireta, um efeito incómodo de balanço era notado nas lentes progressivas mais antigas.

A utilização de cálculos matemáticos complexos e de sofisticadas técnicas de produção permitiu minimizar estas aberrações, otimizando o desenho de potência dessas lentes. Isto aumentou consideravelmente a tolerância do utilizador e o conforto na utilização das lentes.


Zonas de visão das lentes progressivas universais

Diagrama ilustrativo das zonas visuais de uma lente progressiva universal

Zonas de visão das lentes progressivas universais

As lentes progressivas universais têm três zonas de visão: a zona de longe, a zona progressiva e a zona de perto. A transição entre essas zonas é suave e invisível.

A figura ilustra essas três zonas através de um diagrama. As áreas marcadas em cinza delimitam as zonas da lente progressiva utilizadas para a visão direta. Os desvios em relação à prescrição pedida tornam-se tão altos nas zonas periféricas que o utilizador deixa de poder utilizá-las para a visão direta.

Zona de longe

Zona de longe

Zona de longe

A área superior de uma lente progressiva que apresenta a potência dióptrica necessária para a visão para longe é conhecida como zona de longe. Na zona de longe, a lente possui a potência necessária para corrigir a ametropia do utilizador, ou nenhuma potência dióptrica, se ele é emétrope.

Zona progressiva

Zona progressiva

Zona progressiva
A transição entre as zonas de longe e de perto, em que é possível ter uma visão nítida, chama-se zona progressiva. Nessa zona, a potência esférica aumenta constantemente em direção à zona de perto até a adição ser alcançada. Na zona progressiva, a lente possui a potência necessária para corrigir qualquer ametropia presente e a potência adicional necessária para a visão a distâncias intermédias.
A largura da zona progressiva depende do desenho da lente e da potência de adição. Um dos fatores determinados pelo desenho escolhido para uma lente progressiva é a "distribuição" das áreas periféricas na lente e a longitude da zona progressiva. A seguinte regra é aplicada: quanto mais curta a zona progressiva e maior a adição, mais estreita será a zona progressiva.

Zona de perto

Zona de perto

Zona de perto
A zona de perto possui a potência necessária para visão próxima e leitura. A potência para perto é composta pela potência para longe e pela adição.


Zonas de visão das lentes progressivas especiais

Zonas de visão das lentes progressivas especiais

As lentes progressivas desenhadas especialmente para visão às distâncias intermédia e próxima (p. ex., as lentes ZEISS officelens) não apresentam uma potência para longe com correção total na área superior da lente, mas sim a potência dióptrica necessária para distâncias intermédias. Para necessidades de visão especiais, este novo tipo de lentes progressivas é superior a uma lente progressiva universal.
Uma lente progressiva especial deste tipo oferece ao utilizador zonas maiores para visão intermédia e de perto.
Para ir ao encontro das necessidades de visão atuais não somente no escritório – mais particularmente à frente dos computadores – mas também em atividades de lazer, as lentes progressivas especiais estão a ganhar cada vez mais popularidade.

expandirexpandir
recolherrecolher

2. Tipos diferentes

Tipos de lentes progressivas

O desenho das lentes progressivas horizontalmente simétricas foi implementado pela primeira vez com a lente progressiva Gradal HS. Hoje em dia, as lentes progressivas topo de gama ZEISS Progressive Individual 2 também oferecem ao utilizador os vários benefícios da simetria horizontal.
Além disso, todas as lentes progressivas ZEISS estão disponíveis com descentralização variável e prisma de redução de espessura, aumentando ainda mais o conforto.


Lentes progressivas simétricas

As lentes progressivas simetricamente desenhadas foram as precursoras das atuais lentes progressivas. A superfície progressiva é estruturada simetricamente, ou seja, os principais pontos de referência da visão para longe e da visão para perto ficam um sobre o outro em linha vertical sobre a apótema da lente.
Para obter a descentralização da zona de perto necessária para convergência, as lentes progressivas simétricas devem ser rotacionadas de 8° a 10° antes de serem inseridas na armação. Esta é a única maneira de assegurar que os olhos possam utilizar totalmente a zona progressiva e a zona de perto quando eles convergem.

A principal desvantagem das lentes progressivas rotacionadas é a diferente nitidez visual sentida por cada um dos olhos quando eles mudam a sua linha de visão. Na visão periférica, pode acontecer que os dois olhos vejam através de áreas da lente com diferentes qualidades de imagem, limitando consideravelmente o campo útil da visão binocular. Este facto pode ser particularmente notado ao conduzir.

Lentes progressivas simétricas

em cima: PR, PL: pontos de visão periférica através de óculos com lentes progressivas simétricas
em baixo: Impressão visual obtida durante a visão periférica através de óculos com lentes progressivas simétricas

expandirexpandir
recolherrecolher

Lentes progressivas assimétricas

Lentes progressivas assimétricas

Nas lentes progressivas assimétricas, a zona de perto é deslocada nasalmente com relação à zona de longe (descentralização nasal), pelo que a rotação das lentes já não é necessária durante a montagem. Este desenho permite uma melhor utilização binocular das zonas de visão. Na visão lateral, os dois olhos veem através de áreas que oferecem uma qualidade de imagem similar.
Para assegurar ao utilizador uma tolerância máxima e uma qualidade visual excelente, a ZEISS vai ainda mais além, através da incorporação do princípio da simetria horizontal nas suas lentes progressivas.

Lentes progressivas com simetria horizontal

As lentes progressivas com simetria horizontal, como todas as lentes progressivas ZEISS, são o resultado do desenvolvimento contínuo e sistemático do princípio do desenho assimétrico e são uma especialidade da ZEISS, podendo apenas ser produzidas com a utilização de ferramentas e técnicas sofisticadas assistidas por computador.

Além de um campo útil mais amplo para a visão binocular, as lentes progressivas com simetria horizontal oferecem os seguintes benefícios:

  • Impressões visuais idênticas no olho esquerdo e no olho direito, ou seja, a mesma acuidade visual para os dois olhos em todas as linhas de visão
  • Fusão livre de problemas, graças aos efeitos prismáticos verticais idênticos nas duas lentes
  • Perceção normal de profundidade graças à variação idêntica dos efeitos prismáticos nas duas lentes

Simetria horizontal

em cima: PR, PL: pontos de visão periférica através de óculos com lentes progressivas com simetria horizontal
em baixo: Impressão visual obtida durante a visão periférica através de óculos com lentes progressivas com simetria horizontal

expandirexpandir
recolherrecolher

Para maior conforto – descentralização variável

A zona de perto das lentes progressivas é deslocada nasalmente para garantir que os campos de visão dos dois olhos convergentes coincidam. Este deslocamento lateral das zonas de perto é conhecido como descentralização.

Na visão de perto, os efeitos prismáticos horizontais da lente requerem a deflexão das linhas de fixação, cujo tamanho depende da potência dióptrica. Quanto mais alta a potência de vértice da lente, maior a convergência necessária dos olhos hipermetropes  na visão de perto, ao passo que uma menor convergência é requerida para os olhos míopes.
A ZEISS assegura de um modo particular essa relação através do princípio da descentralização variável. A descentralização das lentes progressivas freeform da ZEISS varia de 0 mm (p. ex., quando o paciente somente usa um olho sem convergência) a 4,5 mm, dependendo da potência para longe e da adição. A descentralização variável garante que o utilizador tenha sempre o maior campo de visão binocular possível e é um importante componente da simetria horizontal.

Olho míope

Linhas de fixação e raios principais para míopes
vermelho: Linhas de fixação sem prisma
amarelo: Raio principal do feixe de luz central

Olho hipermetrope

Linhas de fixação e raios principais para hipermetropes
vermelho: Linhas de fixação sem prisma
amarelo: Raio principal do feixe de luz central

expandirexpandir
recolherrecolher

Prisma de redução da espessura

Prisma de redução da espessura

Prisma de redução da espessura

A curvatura da superfície anterior progressiva aumenta constantemente abaixo do principal ponto de referência para longe. Sem o uso de um prisma de redução da espessura, isto significaria que a espessura das bordas na área superior da lente progressiva seria maior do que na área inferior.
Para reduzir o peso das lentes, um prisma de base superior é colocado na superfície posterior da lente. Na lente progressiva acabada é então efetivo um prisma de base inferior. A magnitude e a direção deste prisma de redução da espessura é igual nas lentes esquerda e direita, com a mesma adição, não produzindo por isso efeitos para o utilizador dos óculos.

O prisma de redução da espessura pode ser medido no ponto de referência do prisma. Numa prescrição prismática, o valor medido é o prisma resultante das potências do prisma de redução da espessura e do prisma prescrito.

As modernas lentes progressivas freeform possuem prismas de redução da espessura individualizados, produzidos de acordo com os parâmetros indicados no pedido, como a prescrição, os dados de ajuste, etc.

Este prisma de redução da espessura está otimizado para a interação da visão binocular. Devido ao prisma de redução da espessura individualizado, o pedido subsequente de uma única lente progressiva somente é possível mediante a especificação dos dados da lente parceira. De contrário, efeitos prismáticos indesejados poderiam prejudicar a tolerância do utilizador.

expandirexpandir
recolherrecolher

Gravações nas lentes e estampas

Todas as lentes progressivas Zeiss ostentam gravações permanentes. Com o auxílio de um gráfico especial, estas gravações podem ser usadas para a reconstrução de todos os pontos de medida e de referência, assim como o eixo horizontal da lente.

O código numérico marcado diretamente abaixo da gravação permanente temporal é usado para determinar a adição. Abaixo da gravação nasal, encontra-se um símbolo para o tipo de lente (p. ex., "I2" para Individual 2) e, quando necessário, também um número indicando o índice de refração do material usado (p. ex., "67" para materiais orgânicos com um índice de refração de 1,67) 

Gravações nas lentes e adição nas lentes progressivas

Gravações nas lentes
07 10 12 15 17 20 22 25 27 30 32 35
Adição (D)
0.75 1.00 1.25 1.50 1.75 2.00 2.25 2.50 2.75 3.00 3.25 3.50

Gravações nas lentes e estampa com dimensões (Lente progressiva ZEISS Individual 2)

Gravações nas lentes e estampa com dimensões (Lente progressiva ZEISS Individual 2)

expandirexpandir
recolherrecolher
expandirexpandir
recolherrecolher

3. História das lentes progressivas

A ideia de criar lentes sem linhas divisórias para pacientes presbíopes vem desde o início do século passado. As primeiras tentativas de produção de lentes progressivas datam já de 1909, porém sem sucesso, devido ao grande número de aberrações. O verdadeiro avanço foi atingido em 1956, por Grandperret, da "Société des Lunetiers", quando registou a patente de uma lente cuja superfície forma a base das lentes progressivas atuais.

Desde então, grandes avanços têm sido feitos no campo das lentes progressivas e continuam a fazer-se atualmente. As acrobacias visuais e os longos períodos de adaptação, necessários nas antigas lentes progressivas, são agora uma coisa do passado. As lentes progressivas implantaram-se no mercado e gozam de grande popularidade, devido ao alto grau de sofisticação do seu desenho de potências dióptricas e aos excelentes benefícios estéticos.

Marcos

Em 1983, a ZEISS definiu novos padrões no campo das lentes progressivas, com a introdução da Gradal HS. A simetria horizontal (HS) garante impressões visuais idênticas para ambos os olhos, mesmo quando o utilizador muda a sua linha de visão, garantindo uma ótima visão binocular. O comprovado conceito da simetria horizontal também é, naturalmente, uma característica das mais recentes gerações de lentes progressivas Zeiss.

O melhoramento contínuo dos nossos produtos, tendo em consideração a experiência dos nossos clientes – e das óticas – faz parte da filosofia empresarial da ZEISS. Todos os processos, desde o desenvolvimento inicial do produto até à lente oftálmica acabada, são constantemente reavaliados e otimizados. A Gradal Top E é um novo marco na evolução das lentes progressivas e vem substituir toda a família de produtos Gradal Top.

O trabalho de desenvolvimento atual concentra-se não apenas no melhoramento contínuo das lentes progressivas universais, mas também na conceção de lentes progressivas especiais para satisfazer necessidades de visão especiais, como o trabalho diante do computador.

expandirexpandir
recolherrecolher
 

Este website usa cookies. Cookies são pequenos arquivos de texto criados pelos websites e armazenados em seu computador. O uso de cookies é uma prática comum que permite melhorar o desempenho e a visualização dos sites. Ao navegar em nossos sites você está concordando com o seu uso. mais

OK